Teletrabalho com filhos – Missão impossível

 

Nem sei por onde começar.

Com as escolas fechadas devido ao novo Corona Vírus aquilo que já era muito difícil de gerir, i.e. a normal rotina diária com filhos, torna-se uma missão impossível. Para evitar o contágio e bem, sugerem-nos o Teletrabalho, que na prática significa fazer o trabalho normal mas em casa na companhia dos filhos. Até aqui tudo bem porque é só teoria, mas na prática como é esta realidade?

Se tiver filhos com idades inferiores a 7 anos, um, dois ou mais certamente se identificará com o desabafo que se segue que não é nada mais que o verdadeiro e natural caos caseiro mas agora a trabalhar. Não vou entrar em rodeios, já não tenho paciência para isso, dormi mal outra vez porque o meu filho tem terrores noturnos e passa a noite aos gritos e a minha filha espeta os pés nos meus rins enquanto respira para cima de mim, a noite toda. Sim, mais uma vez vieram dormir para a nossa cama depois de um esforço sobrenatural para conseguir adormece-los na sua caminha linda e cara. Uma hora depois lá estão eles, vêm com as suas almofadinhas nas mãos e com a cara de anjos que são.

Começa o dia, mimos para todos, xixi para todos, pequeno almoço para todos. Ligo o computador e começo a trabalhar. Prioridade para os temas importantes e agendamento das conferências necessárias com a equipa local ou internacional, tudo como num dia normal de trabalho conforme combinado. Os miúdos não gostaram do pequeno almoço de hoje, não sei porquê, é algo que normalmente comem fácil, fazem uma birra que demora meia hora porque o fiambre tem uma parte mais escura e o pão é grosso demais e não conseguem morder bem. A palhinha não é a mesma e os copos estão trocados, hoje não querem Nesquik mas Iogurte de morango. Finalmente começam a comer, são 9:30 e já não me lembro o que estava a fazer nem o que ia fazer.

Agendo uma conferência por Skype com a equipa e digo com muito jeitinho “Filhotes vou ter uma conferência, agora não façam barulho está bem?”. Começa a conferência mas não oiço bem porque a televisão está altíssima no canal do Panda e os miúdos discutem sobre quem fica em que lado do sofá. Cinco minutos depois estão fartos da televisão e decidem Interromper a conferência 10 vezes para perguntar quem são aquelas caras todas e fazer caretas na camara. A internet falha e está aos soluços, não entendo o que dizem. Há tanto barulho, falhas de internet e interrupções que sinto que era mais fácil desmaiar. Assim ficava totalmente inconsciente e descansava um pouco mesmo que fosse na ambulância do Inem ou no Hospital. A ideia de internamento por segundos parece-me bem, ao menos estou deitado e tomam conta de mim…. pppfff que estupidez. Aguenta!

Chega o meio-dia, começam a perguntar o que é a comida de minuto a minuto. Não ganho para alimentar esta gente, estão sempre a abrir os armários e acampam debaixo da mesa da cozinha. Já disse mil vezes para não abrirem a porta do frigorífico e não puxarem as cadeiras para ver o armário dos cereais porque podem cair. Tanto pressionam que tenho de ir preparar o almoço mais cedo mas com muito cuidado porque não gostam de qualquer coisa e ainda fazem birra. Mas antes xixi, cócó. Já não sei quantas vezes os levei à casa de banho e não estou a contar com as vezes que pediram para beber água. Já me doem as costas de me levantar tantas vezes da cadeira que não é ergonómica, é a da sala.

Se tudo correr bem o mais novo dorme a sesta da tarde e a mais velha distrai-se com desenhos. Mas raramente corre bem, hoje não querem dormir e ficam a implicar um com o outro porque têm sono e deviam ter dormido. Mais uma vez xixi, cócó e água. Cócó outra vez, mas quantas vezes fazem cócó por dia. Cansam-me o cérebro mas ao menos sei que estão bons dos intestinos e da bexiga, menos um problema. Chega o meio da tarde e começa a novela da comida, estão cheios de fome outra vez e não sei como, ainda agora comeram!

Finalmente chega o fim do dia de trabalho e não sei bem o que ficou pendente ou se fiz alguma asneira. Nem estou cansado, estou dormente. Quero finalmente ir lanchar porque terminou o dia de trabalho. Os miúdos estão cheios de fome outra vez, mas antes xixi, cócó e água da garrafa que não tem um cheiro estranho no gargalo. Como meio à pressa, escondido na cozinha porque eles comem o deles e o meu, não podem ver nada. Estive aflito para ir a casa de banho a tarde toda e lá vou eu, finalmente. Mas não vou sozinho porque os miúdos me perseguem sempre para a casa de banho. Ir à casa de banho é uma visita de estudo em que me fazem um inquérito sobre o que estou a fazer e a ver mas também um inventário porque mexem em tudo sem exceção.

São rebeldes mas lindos.

Moral da história, nenhuma porque não tenho paciência nem tempo, decidam vocês. Estou demasiado cansado e ainda tenho de ir dar banhos, preparar o jantar, dar o jantar bem cortadinho em pedaços simétricos e ainda brincar com os miúdos. O problema não são os nossos amados filhos que são lindos todos os dias mesmo com o caos que produzem, é o teletrabalho!

Obrigado pela sua preferência e por fazer parte da comunidade @malvakids.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *